face de david- michelangelo

face de david- michelangelo
A face seca cede à curiosidade que entorpece os sentidos, focando o vívido olhar ao longe até se perder nas brumas de seus pensamentos distantes

domingo, 29 de agosto de 2010

Comum Ignorado


Sob meu corpo ignorado,
pousa gritos desesperados,
pensamento sofisticado...

Pra tudo tem vários caminhos,
geralmente eu sou o meio,
nem direita nem esquerda,
levo a placa comigo e faço meu proprio desenho,
minha rota,
minha trilha...

Ao mesmo tempo que quero falar,
o oculto me grita aos ouvidos...
pra que ser translucido?
Tenho que ser opaco...
opaco...
opaco...

Pra que ser humano...
tenho que ser diferenciado...
é compulsivo,
meu doce vício.

Terminar pra que sendo que minha mutação não tem fim?

...


David Weydson

Força em Pó

Roubou o meu sorriso,
a minha fé,
e tudo de belo que em mim havia...
Ladrão nojento e inescrupuloso...

Procuro sedentamente uma solução,
antes que eu caia no chão,
e dele não saia mais...

Sem forças,
sem tempo,
vento e com medo de nunca mais ver o amanhecer...

Só tenho o escuro,
o frio,
e a tristeza...
tudo vai melhorar...
É nesses momentos que sou fraco,
mas mesmo assim continuo sendo forte,
alego isso e tenho porte.

O pranto pode durar uma noite,
mas a alegria vem ao amanhecer...
As vezes tenho vergonha de me ser,
sou sujo...
sujamente humano e tenho carne...
( as vezes me esqueço desse detalhe )
Quando minhas penas resplandecem,
os meus calos aparecem,
quando minha santidade aflora,
vem o pecado e me abraça,
me devora...
Deus... me conforta...


David Weydson

O Anjo Humanizado


Quanto mais bato as asas,
mais chego ao céu mais fico leve,
só que as asas doem,
pedem um momento de luxuria...
prazer para ela e não para os olhos...

As asas cessaram,
as nuvens não mais me acolheram,
o ar virou lâmina,
cortou meu momento,
as nuvens passam pelo meu rosto,
forma-se pranto em minha face,
minhas penas são o meu rastro...
o alívio estou sentindo,
mas tambem profundo temor,
vou cair não tem jeito...

Faço furo em nuvens,
fecho os olhos diante da queda,
caí...

Me ajude a levantar.


David Weydson

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Minhas Mentiras

Me afoguei em lendas,
coisas para não acreditar em mim,
disso não falo,
foi para na dor dar um fim.

Acabar com a inveja,
questionamentos constantes,
posso ter ido para o pensamento errante,
retomei.

Consegui coisas em mim anular,
chamei de força,
e o esquecer disso tudo,
esquecimento das dores do mundo,
chamei de falta de medo...

Lavagem cerebral?
Mudei para melhor?
me transformei,
disso eu sei.
Agora lido bem com tal,
talvez não tenha sido o certo,
não penso nisso...
aceito e vivo.


David Weydson

Quebrador de Rotinas

Agir como anormal,
para não dizer louco...
vivo para mim,
de que intereça os outros?
Olham...
olhar curioso,
um louco senta numa fila,
escreve freneticamente,
algo impulsivo...
Não sei até que ponto eles tem razão...
Não me importa.

Sim...
superioridade me inunda,
as vezes individualismo ao extremo,
escrevo...

Com minha rotina quebro outras mil,
irracional...
Quem se importa?

Tantos passam,
mas eu fico.


David Weydson

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Instrução da Fuga Op.1

Prezo pelo olhar intimidador...
pelo que é desapercebido,
me faço flor,
flor seca...

Não consigo ser simples...
esponja cotidiana sou,
absorvo segredos que não hei de falar,
ando as vezes em dor...

Sou fácil de agradar,
da confusão faço lar,
fugir não posso...
não dá.

E no timbre da voz rouca,
Vivace... dança louca,
moça...
insana.

Quantas vezes ja gritei,
mais alto que todos na multidão,
não vi uma só reação...
Gritos da alma,
gritos molhados,
lágrima mareada...
esconder-me vou...

Me decifrar não gosto,
é mais forte do que eu,
esse jovem ja sofreu...
seguro me fiz,
feliz e mui forte.

Sou apenas maciês de algodão.


David Weydson

sábado, 21 de agosto de 2010

Deus e Eu

Fazia tempo que não chorava,
hoje eu me derramei,
vi meu espirito dançar,
e em tuas mãos me entregar...

Vi as estrelas brilharem fracas,
eu brilhei mais...
elas vieram rodear-me.

Vi o manto do Espírito de Deus,
senti a macies me tocar,
senti o amor de Deus,
me atravessar...

Quando achei que meu espirito era morto ele vive...
é mais vivo do que era antes...
Dança quando andei normalmente...
fazendo o chão se encher de flor...

Me derramei para ti,
meus olhos de visões se incandesceram,
mais forte que ouro,
ofuscou o fogo...

Santo Santo Santo...
Não tenho mais o que falar,
é aí que o Espirito com sua lingua Santa por mim vai decifrar...

Sentir os teus braços a me abraçar,
o teu carinho me rasgar,
TE AMO DEUS,
contigo SEMPRE vou estar...

"Mesmo sendo falho lugar tens para mim filho meu,
mesmo agindo de forma humana...
mesmo sentindo as dores da carne,
olha pra mim...
EU VENCI!
Mesmo que o sol não apareça,
Mesmo que o dia pareça dor,
sou do seu lado com meu AMOR.
Mesmo que o tempo passe e aflições venham,
O meu socorro virá,
e um tempo novo fará acontecer,
onde o amanhecer será mais belo,
os dias mais certos.
Prosperidade e riqueza.
Filho...
Mesmo que anoiteça,
Sou Deus Criador o TEU PAI."

Deus e David Weydson

sábado, 14 de agosto de 2010

Ás de Espadas

Sou eu quem dou as cartas,
o jogo depende de mim,
sem mim?
sem nada,
sem cartas,
sem espadas.

Gosto de brincar,
nesse jogo vamos ver,
as caras retorcerem,
cabeças rolarem,
coisas morrerem...

Sou bom com os sonhos,
manipular as vezes é legal,
fazer o que é certo...
isso sim é real.

Olhe... veja a lua,
linda não?
decisões são feitas,
escolha...
cativa.
sim ou não?

A felicidade é facil de enxergar,
ela bate a porta,
pede para entrar...
as vezes temos medo de ser feliz,
de perder o ar...
querida... olhe pra mim...
Vamos lá.

Deite...
contarei-lhe uma história...
Era uma vez uma mulher,
como era linda...
trocou a vida por um prato de que?
conhece a história das lentilhas?
Felicidade se foi...
agradar outros ficou,
olha logo...
enxerga rapido...
é você que faz o amor.


David Weydson

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Aos Meus Amigos

Não importa tempo,
distancia ou o vento,
ela segue...
segue na alma,
com força e intensidade...
caminhando na cidade vejo pedaços de amigos...
não importa quais sejam,
estão em flores,
em bosques,
em sorrisos...

Amigo...
palavra indizivel para valor tal,
mesmo que o tempo interfira,
os momentos ainda estão vividos,
isso é real...

Amigo...
algo feito de uma ironia do destino,
não me importa,
te chamo de amigo,
de minha vida abro-lhe a porta

O mundo seria cheio,
teria felicidade e amor,
teria mais sentimento,
menos lamento...
menos dor,
o amigo traz a ti,
um pouco mais de calor,
e nas noites frias dirá...
um amigo me acalmou,
lagrimas colheu,
ou dele brotou...
amigo de longe ou de perto,
uma coisa sei ao certo,
amigos tenho,
não contesto.

Amigos que lembram a brisa,
corujas ou fogo,
amigos que brincam sem medo,
amigos pela boca e amigos por dedos,
amigos...
um dos meus melhores frascos,
guardados com carinho em mim,
minha essencia de vida.
amigos...


David Weydson

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Palavras...

As vezes não há palavras...
Elas escondem...
o momento é tão forte,
tão intenso...

Elas tem medo de aparecer,
chocar-se com os olhos,
bocas e ouvidos.

E aí só restam os olhos,
que circulam,
a boca que anseia,
o medo se foi...
O frio na barriga ficou...

As palavras continuam extintas,
agora não ha mais rimas,
só há mordidas,
cantos de boca...
um bobo atoa.

Palavras sabem o tempo de aparecer,
sabem manipular,
se esconder e entalhar humanos.
Palavras são mais que conjuntos de letras,
são temômetros de prantos.
Cantos...
palavras cantam,
e o tempo passa,
palavras ficam e martelam,
minha boca faz o dano...

Palavras...
Fiquei sem outras mais,
palavras são pérolas...
palavra...
Cada uma no singular,
pois cada uma é especial,
ela que me faz...
cada uma é fundamental.


David Weydson

terça-feira, 10 de agosto de 2010

A Guerra dentro de Mim

Meu tempo está se findando...
de uma mudança preciso...
correr do que estou sentindo,
meu desejo impreciso.

Parece que foi um mar de rosa...
um tempo de dor,
viver santo?
correr atraz do amor?

Minha carne grita...
a balança está fatal,
igualados estão...
ganhar é fatal...

A carne está fácil agradar,
o espírito está dificil achar,
alguém pode me ajudar?
O diabo e Deus num cabo de guerra dentro de mim,
estou gritando a querubins,
tragam milagres...
pois minha corda arrebentará


David Weydson

sábado, 7 de agosto de 2010

Meu momento

Xiu...
Todos façam silêncio...
Estou pensando...
ouvindo o cachorro ao longe...
contando as batidas do coração...
as batidas do tempo...
ouvindo os sinos dos ventos...


David Weydson

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Sonha...

Segue teu sonho...
até que ele te ceife...
e dos momentos bons te tire,
para dar lugar a outros além...

Segue teu sonho...
até que ele te mostre,
que sonhos tambem são de cristal,
papel...
as vezes de madeira...

Segue teu sonho...
até que dele se sacie,
ele te deixe...
outro sonho te abrace...

Segue teu sonho...
até que outro dia não haja mais,
que ele não traga nada mais...
só satisfação de uma vida feita,
te traga a morte e a paz.


David Weydson

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Fragmento de Loucura

Escrever ja não me basta...
quero algo mais,
quero sair de mim,
fugir...
quero me entender,
quero paz.

Amordaçado estou,
confesso que ri da ironia,
algo não profundo e trancafiado me colocou...

Quero sair de mim,
arrancar cabelos,
gritar...
afogar minha cara,
sentir sede do ar...
me cortar,
sei lá...
um jeito de fugir disso.
Respostas...
Quero Já!

David Weydson

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Íris Negra

Ninguém consegue chegar ao fundo dos meus olhos,
nem eu consigo tal proeza.
Eles são fundos... frios...
A cara brinca de expressões,
coisa que o mesmo não o faz...

Ele se enche,
vive na cautela,
janelas d´alma,
d´água...

A água que entra é diferente da que sai,
uma satisfaz,
a outra cai,
chora...
nunca se sabe ao certo quando acontecerá.

Há matéria escura nela também,
não é só no espaço,
se for...
um pouco dela roubei.


David Weydson

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Cicatrizes da Alma

A Alma tem cortes,
cortes profundos...
do todas as cores,
com todas as dores...

Grandes deles são vistos quando estás só,
pois ao cortares escondes...

A vida está destinada a elas,
ataduras são feitas,
as pessoas não enxergam a alma,
esconderei bem para ninguem tocar...
Tenho que a dor mascarar.

Marcos são feitos,
vidas torturadas,
esse é o destino da vida,
esse é o molde...

Tirei as ataduras,
olhei para meus ferimentos,
quase morri...

Venci!


David Weydson

domingo, 1 de agosto de 2010

Metarmofose

Sabia que vivia em mutações...
mas não que elas praticamente me dominam...
eram tão sutis,
tão imperceptiveis...
Era Gradual.

Acho que uma noite de sono cura,
cura o que sinto agora,
calculismo,
amargura...

Quero brincar,
brincar com pessoas,
meus bonequinhos,
to meio psicotico eu acho...

Escrever...
nem sei o por que,
ah... e quem se importa,
vou fazer sem mais porque!

Palavras na minha dança insana,
dança louca...
dança na lama.
Stravinsky em mim.


David Weydson