face de david- michelangelo

face de david- michelangelo
A face seca cede à curiosidade que entorpece os sentidos, focando o vívido olhar ao longe até se perder nas brumas de seus pensamentos distantes

domingo, 28 de novembro de 2010

Mímico


Seus dias eram iguais...
a mesma canseira para acordar,
mal levantava e ja sentia seu corpo adormecer,
não importava se fazia chuva ou sol.

Seus movimentos eram patéticos,
todos simplificados,
suas primeiras palavras tardavam a aparecer,
seu caminhar era ligeiro, porém mole.

Seus sorrisos cópias de outros ja dados,
escolhia ser chato e falar pouco,
ou então fingir simpatia...
tentava fugir da nostalgia,
ela lhe agredia...

Seus medos não existiam,
seus sonhos viraram acaso,
suas roupas não mais valiam,
ele simplesmente vivia.

Suas horas não lhe importavam,
as vezes torturava seu corpo por raiva,
fingia ter calma,
até que ela o domava.

Criticava muito,
pois não tinha muito o que fazer,
pensava e respostas tinha a oferecer.
Muitas vezes machucavam...
Ele não se importava porque não tinha coração.

Ele escrevia no passado,
nem ele mesmo sabe o porque,
escrevia freneticamente,
como se fosse para viver...

Escrever era a unica maneira de lhe fazer pulsar,
ainda fala sozinho,
solta palavras no ar...
se observa na água,
olha as nuvens...

Vive instintivamente,
os costumes não tem poder sobre ele,
ele cresceu e mudou tudo,
ele viveu,
se satisfez...
muitas vezes se refez...

Ele amou,
iludiu e salubrizou,
ele fez o que muitos não tiveram coragem,
ele foi a essência da arte.
foi ao Apogeu.
Viveu...
Ele sim viveu.


David Weydson

Nenhum comentário:

Postar um comentário