face de david- michelangelo

face de david- michelangelo
A face seca cede à curiosidade que entorpece os sentidos, focando o vívido olhar ao longe até se perder nas brumas de seus pensamentos distantes

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Jardim Amante


Tentei durmir,
não deu...
vi pela fresta da janela um clarão...
abri e vi a lua,
vi um jardim intocado...

Ja tinha passado o dia,
era grande a concentração de pessoas,
insetos...
mas de noite era só ele e a lua,
acordava cedo para ver o orvalho...
e vi como agora se depositava,
parecia um tanto molhado,
sabia que não podia sair de meu quarto,
"Carpe Diem"...

A janela deixei escancarada,
deixei a neblina entrar no meu quarto,
olhei de minha pequena sacada as estrelas,
meu amigo carvalho...
Mas preferi os braços da cerejeira...

Deslizei a mão sobre a maçaneta gelada,
o som parecia mais limpo,
era só eu e a sinfonia da noite...
fui descalço pelo chão de madeira,
passo após passo sem me importar com o frio...
Frio me lembra que sou vivo...
desperta o arrepio...
o calor me atordoa.

A madeira rangia...
parecia falar comigo,
dizendo pra continuar,
me senti tão místico ao andar...
saí da minha toca de concreto...
corri ao encontro do jardim,
belo jardim que me chamava...
corri sorrindo,
girei e caí...

Tão macio o jardim a me aconchegar,
sendo cama para meus devaneios levar,
caí perto de uma cerejeira,
a mesma que eu vi...

Contei estrelas,
comi uns morangos selvagens que estavam a me presentear,
vi as nuvens e o céu a me iluminar,
como era estrelado...
Tentei as estrelas contar,
e durmi com o cheiro da relva distante,
o clima confortante,
e o jardim a me abraçar.


David Weydson e Mayara Verginio

2 comentários:

  1. "David Weydson e Mayara Verginio"
    99,99% David Weydson
    00,01% Mayara Verginio

    Os finais sempre são triunfais... *--------*

    ResponderExcluir
  2. ¬¬...
    Magina may...
    vc deu toda a base do poema
    eu só construí sobre os alicerces

    ResponderExcluir