face de david- michelangelo

face de david- michelangelo
A face seca cede à curiosidade que entorpece os sentidos, focando o vívido olhar ao longe até se perder nas brumas de seus pensamentos distantes

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Rotina Envelhecida


Na cama só dorme a esperança, os olhos são fixos no espaço vago entre os corpos deitados no colchão enquanto pensamentos amedrontam as pobres mentes.
De começo ainda reclamava a luz acesa quando queria dormir, agora procura evitar... É questão de tempo para a desligar, aproveito e penso na situação.
Não há mais razão de tudo isso... O tempo do amor foi tomado pelo alcool e pelo cigarro maldito, ditando um vicio preciso para a maldita vida (Ja que nela nada mais tinha tanto brilho).
Era tudo uma cor velha e empoeirada, nada remonta ao belo como as cabanas antigas ou a sépia... Berço de amores de verão... Era tudo mentira de Hollywood.

A cama cada dia era mais fria, morta, inerte e mofada, era deprimente,(Não tanto quanto a depressão de vênus). As parreiras eram mais secas que mármore bruto, eram tristes subindo pela parede como se numa escada.
Os Jantares não tinham mais velas, nem gosto, nem nada. Reinava o silêncio e as garfadas.
Mesmo ato... Levantava, colocava o prato na pia. Lavava as panelas e assistia o seu jornal de cada dia, (Aquela desgraça de vida).

Mesmos móveis, só a poeira a lhes transformar, ela tirava o pó ja desanimada de sua longa estrada. Andar tanto para agora ficar parada, para arrumar a cama desmanchada e se deu o luxo de chorar.

A vida é tão ingrata, veio o pensamento de separação... Vieram os papeis, tudo aceito de ambas as partes e sem saber o porquê chorava sozinha depois.
Talvez fosse o alívio, não conhecia mais o cheiro da liberdade, nem tal ausencia de peso.

Começou a cuidar das flores do jardim, (Jardim tão simplório que faria emocionar a todos). Conversava com suas plantas, e sorria pela manhã.

Agora ela tricotava e criava um gato. Sapeca ele se enrolava entre os novelos e roçava em suas pernas enquanto ela tecia uma mantinha para seu pequeno companheirinho.
Comia feliz agora, fazia bolos e sempre dava um pires de leite para novelo, (Sim, ela conseguiu nomeá-lo). Um pires de leite para o gato, frutas para os passaros e cuidado para suas plantas. Comidas novas em seus armários... ria comendo leite-condensado e comendo salgadinhos com brindes descartáveis.

A vida seguiu e provou...
Sim...
A felicidade ainda existe.


David Weydson

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Poema Ruim que precisava escrever

Me fecho,
me aquieto e vou...

Vou envelhecendo,
vou crescendo e vou morrendo a cada dia...

Cada dia menos um dia,
menos um dia de agonia...

Vou e vou...

Dizem que o amor aparece quando não se quér,
sigo tantos dias pela esperança de um dia o encontrar...

Chega de paixão a me iludir,
me ludibriar...

De dois em dois o texto é feito,
e de todos os medos a gente se esconde.

um novo horizonte,
um novo parecer...

Viver
Crecer
Morrer.


David Weydson

Tédio...Fumaça e pó

Fim de sexta... 24 de Junho, para ele não importava... Era quinta, era sexta, era todo dia a mesma coisa naquele tédio regado por tédio e seu asco por ele, pela situação. Ele era inconformado e nem sabia o porquê.
Tudo bem... vamos aos fatos...
18 anos, vida comum de garoto de parecer estranho, orgulhoso e esperto.

Hum... Interessante...

-O que vamos fazer agora? Posso sugerir algo?
-Pois não... diga...
-Mais tédio... vamos ver até onde ele vai?
-Pode ser, eu acho bem peculiar seu rosto de tédio

-Que tal um cheiro de fumaça invadindo suavemente seu quarto?
-Pode ser...
-Seu cachorro a latir, ele tem que o ver... de pensar que ele é tão entediado que até o cachorro, entra, se anima, fica perto e depois volta para onde reclamou de sair

-Olha... ele saiu do seu quarto... procurou as estrelas e não achou, procurou uma música boa também não achou, tentou entender o que falavam... foi em vão... achou o foco do fogo, incrivel... pensou em jogar água e o apagar, mas lembrou que era São João, "festa típica brasileira que serve pra pobres pularem, mas bem que tem doces gostosos"
-Viu?! Viu!!! É isso que eu gosto nos seus pensamentos, são tão cobertos de nojo e tédio...

"Quem sabe em algum lugar tenha alguém discutindo, pensando ou estrategiando o que fazer da minha vida? E se ouvem... me dêem novidades boas? Se gostam do meu tédio que vejam a gravação... tédio é chato!"

-Será que ele nos descobriu senhor?
-Não!
-Como pode ter tanta certeza?
-Pois foi ele que nos criou.


David Entedson

Prece do Insano


Corto minha alma em pequenos pedaços,
eles com o tempo se regeneram,
planto em corações feridos...

Um dia há de crescer
com as lágrimas derramadas a regar,
com a sujeira a poluir o ar,
com o tanto de concreto que te passa pelo olhar.

Sabe...
as vezes nem se sabe se cortou muito,
cortou pouco,
se ainda tem para distribuir.
É aquela coisa que não tem mais importancia,
que ja nem se saliva mais
e a tempos não se apaixona...

Dou a distintos e dou a estranhos
Para que eu viva também em você.
E que ajude nessa loucura de vida,
que vençamos juntos e comemoremos a vitória.

E ébrios vamos sorrir para os muros,
paredes e ao céu.
Que tudo vire infinito,
e que corram os dias.

Amém


David Weydson

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Choro de Palhaço


O sangue coagula de uma maneira dentro de mim,
e vem cristalizando,
cortando e furando cada parte fazendo marfim esculpido,
fazendo uma dor como de a morte de um ente querido por motivo desconhecido
sem abrigo um mendigo na minh´alma vai vagando
como num vazio oceano de uma trupe abandonada.

...(suspiro)...

E suspiro desespero sem medida
morte de todas as malditas que acabaram com famílias pelas quais ninguém chora
até que acabe o ar e que os pulmões sintam falta de algo,
essa falta é meu atual estado.


David Weydson

domingo, 12 de junho de 2011

Diário de Apollo

Você pode até não acreditar...
...mas...
estou feliz!

Hoje eu me senti humano,
tive vontade de matar uma unica pessoa antipatica sem sorrir na frente de crianças brincando,
fui rude igual e consegui o que queria...

Vi aviões passar,
sentei com a família na grama e vi crianças dançarem,
comi muita canjica...
fiquei feliz em ver várias outras felizes.
Recebi belos concelhos,
como se a luz aparecesse...
...estou feliz.

Sabe...
ultimamente procurei meu coração,
mas só achei uma bomba de sangue no lugar,
durante um dia isso acabou...
como se tudo tivesse sumido.

Chorei ao fim do dia...

Estou feliz,
realizado e com uma certa dorzinha perto do pulmão,
não era amor, mas sim felicidade e carinho,
paz e vivi um dia por dia.

Que o dia seja belo,
que os dias sejam cópias unicas desse mesmo,
como um carimbo.
que sejam diferentes e únicos.
Felizes e também diurnos.


David Weydson

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Esperanças para o Futuro

Ser poeta por maldição,
um louco pela paixão que emana das letras sentidas e vagantes,
errantes de seus textos originais,
textos mais antigos que a propria fala humana...

Sem medida,
podem contar as palavras,
versos e sílabas,
mas o que sinto é algo tão longínquo quanto o espaço...

E nesse embaraço com minha simplicidade teço minha teia de marasmo,
um dia querendo ser mais do que realmente sou,
e tudo transcender.


David Weydson