face de david- michelangelo

face de david- michelangelo
A face seca cede à curiosidade que entorpece os sentidos, focando o vívido olhar ao longe até se perder nas brumas de seus pensamentos distantes

domingo, 24 de julho de 2011

Polar


Oi...
O inverno chegou,
trazendo aquela doce lembrança de chás fumegantes,
de praticamente ser um fumante...
a cada palavra e respiração,
sou o deus das nuvens,
sou um dragão!

corbertores coloridos,
corpo vivo...
arrepios cortando a pele,
e corpo vibrando em cada brisa não esperada e não preparada que passa pela roupa fina.

As estrelas e a lua brilham mais,
mais distante o calor se torna,
o corpo chora suor,
olhos ficam mais vivos e envidraçados se perdendo nos vidros embassados...

E o Pierrot caminha pelo vento,
dessa vez, deixou a máscara em casa e se transformou...

Por ter mudado tanto, mudou...

Em sua casa há calor,
e aprecia a nudez...
uma pilastra e ao chão um cobertor xadrez...

foi só o tempo da foto tirar,
para logo se agasalhar e ir preparar o seu chá...

As árvores são lindas enquanto dormem no inverno,
sem folhas e maciças...
entortam os galhos como artistas,
os passos dos que passam são rápidos para esquentar.

Vontade de logo chegar ao lar,
repousar...
aquecer e apreciar.


David Weydson

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Até que chegue o fim...


Sonharei até que anoiteça,
fecharei meus olhos e sonharei,
rirei logo quando despertar,
terei motivos para rir,
assim como tenho para chorar.

Deixarei a chuva alisar minha pele,
até que ela se torne toda chuva,
mergulharei na neblina,
e sentirei calafrios a cada rajada de vento.

Sentirei o sal do mar,
e seu sopro a me encantar,
o som a rugir,
continuarei até partir.

Olharei as nuvens,
o céu e as estrelas,
a lua e serei insistente,
ainda verei um eclipse perfeito sem reclamar das nuvens a tapar minha visão.

Sorrindo ou não vou seguir...

Amar intensamente quando amo,
ser sério quando só,
sorrir com amigos,
insistir em ser velho como o pó.

De pijama,
de que tiver para seguir a vida,
sorrindo e sendo feliz...

beberei aniz...

No fundo de cada saquinho de pessoa,
há fragmentos dourados de felicidade,
olharei e os espalharei pelo ar,
até que não possa mais enxergar a sua trajetória.

Eliminarei o passado e farei uma nova história...
onde sempre o protagonista sou eu.


David Weydson

sábado, 2 de julho de 2011

Máscaras de um Pierrot



É nessa vidraça de igreja que sempre escrevo,
olhando esse palhaço do qual nunca cumprimentei,
vendo a maquiagem de minh´alma,
e seguindo sob a chuva meu caminho torpe...

Alimento meus Peixes que nadam em nuvens,
vejo se há novos comentários,
penso em postar algo,
mas nem sempre a inspiração me dá seu ar.

Olho minhas estatísticas,
nem sei direito o que escrevo,
só monto um quadro e coloco aqui,
observe...

Digo o que nunca disse a ninguém para vocês,
pessoas das quais não vejo a face,
(não muito diferente de outras)

Talvez com suas lágrimas trancafiadas,
seus sorrisos e dó pelos que vivem escrevendo nos becos,
sentados no chão mais sujo e olhando a cidade como se fosse a ultima vez,
com sua métrica tão torta como um caminho mal feito,
e com suas rimas irônicas.

Sempre no mesmo quarto,
olhando o mesmo quadro a minha frente,
imaginando como seria estar em londres,
Notebook no colo,
criado mudo bagunçado,
uma bíblia,
dicionário,
mais um quadro... espelhos refletindo o nada,
garrafas d´água e uma máquina de escrever que sou eu...

Abro a janela e tomo vento...

... Deixo que ele leve a ar velho que tenho
... tenho medo...
Medo de um dia sair da paz e controle,
prefiro o marasmo da solidão,
conversas descartáveis e uma fração de tristeza,
para que meus olhos cristalizem e enxerguem tudo P&B...
E que a realidade seja seca, dura e crua...
Do jeito que só ela sabe ser.

Perguntam-me se não amo,
-NÃO!
Mais uma de minhas mentiras...
mentira que está virando realidade
seco... endureço e empedro a cada dia.
Não vivo em agonia...
só calculos sem números...
Reticências e um vácuo eterno...

Amém

David Weydson