face de david- michelangelo

face de david- michelangelo
A face seca cede à curiosidade que entorpece os sentidos, focando o vívido olhar ao longe até se perder nas brumas de seus pensamentos distantes

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Recanto das Moiras


Perante seus anos esqueceu que ja não é mais criança,
responsabilidade em uma tacada abrupta...
Ri como bobo ouvindo a outros,
mas é fato que do copo da amargura ja provou.

Batem à porta...
São as idéias a gritar que mesmo com o tempo a lhe importunar,
o coração é seco,
é idade de namorar...

É seco...
É pedra que nunca cheirou chuva.

A chibata estala e o medo do futuro aparece de terno escuro,
lhe entrega a bengala,
o paletó e a cartola...
"Pendure"...
Preparo um chá...
sei que por mais que tenha medo,
e ainda sim um pouco de desconforto terei de lidar.

Ele agora é um hospede até tal momento.

A fumaça de seu charuto mostra voltas belas em um ar parado,
desenha sonhos e pensamentos longe...

"Tem que dar certo... Tem que dar certo!"

A madeira range e a xicara tilinta no pires e ecoa pela mente que vaga,
os olhos amadeirados se tornam secos...

E o âmago cintila.
O tempo passa e tudo fica...
O silêncio constrangedor é afogado pelos pensamentos...
Os olhos se apagam e as madeiras da casa rangem...

A chaleira esfria,
a luz que alumia é trocada pela escuridão da noite,
velas se acendem...
a parafina acaba,
e o escuro vem.


David Weydson

Um comentário:

  1. Muito bom, viajei lendo esse...
    Minha mente montou os cenarios e me senti dentro do poema... *0*

    Novamente, muitooo bom... =]

    ResponderExcluir