face de david- michelangelo

face de david- michelangelo
A face seca cede à curiosidade que entorpece os sentidos, focando o vívido olhar ao longe até se perder nas brumas de seus pensamentos distantes

domingo, 31 de março de 2013

Cíclico


Você sabia tudo o que era,
agora olha pra essa vastidão e se assusta,
o corpo virou um mundo
onde você vive várias vezes a mesma vida.


Não sabe mais se definir,
encontra tantos rótulos em pessoas,
e você não é nada...
não se encaixa mais em nada,
é só uma vastidão vazia.

Com milhares mas sozinho,
porque todos são eu...
E as paisagens são estranhas,
e no fundo das entranhas...
ele se perdeu.

Uns vivem por sexo,
outros por dinheiro,
procuro viver porque tem que viver,
e não acho razão pra levantar totalmente feliz.

Tenho o básico,
e um pouco além...
tenho coisas que muitos nunca terão,
mas o conhecimento me seca a cada dia...

É belo,
sim... concordo,
mas mesmo assim,
a ignorância não parece de todo ruim.

O significado de tudo é tão lógico que chega a ser vergonhoso,
vivem para amar,
depois vivem por ter que manter o que o amor deu,
logo mais amariam não ter o fruto do amor,
e amam amar outro...
amariam não amar...

E eu sou neutro,
penso com  meus botões,
rio de coisas simples e sou simples,
mas por ser tão sucinto não me encontro,
em nada e nenhum recinto.

Tudo falta parte de mim,
e não me empenho para ser naquilo completo,
sou tudo e repleto,
simples, abstrato e de certo,
a personificação de justo, moral e reto?

Vivendo em meu mundo o que vem de fora não dita as regras.

Anoiteço sem o relógio correr,
grito sem ter que sofrer,
e fico sem ter que parar.

Sentido não há,
em pensamentos soltos e uma vida sem muita definição,
não tem sim e não tem não,
olho pra um tino e continuo seguindo,
doentiamente,
um dia atrás do outro e chorando sentindo saudade do mar,
mas sem nenhuma gota plantar em minha face seca,
pois parcela do mar foi minha...

É tanto a escrever,
é tanto guardado cá dentro,
o peito encolhe,
a garganta amarga,
mas a plateia só grita:
"Engole"

Segue que amanhã é dia de repetir o ciclo,
e seguir o mesmo ritmo das músicas que você odeia,
mas essa sinfonia azeda ainda vai tocar,
até que chegue o futuro de que tanto ouvi falar...
e que depositei a minha fé quase toda,
meio louca já fiquei,
mas já voltei à minha sensatez...

Os filhos que pari mudaram todo meu mundo,
mas bem no fundo...
são todos eu que fiz,
todos ainda estão dentro de mim,
e nos fim eu vou me acabando.

Procurando e procurando,
sentido da vida e da escrita,
mas que se foda a vida,
e vou me fodendo dia a dia mesmo...

Fazer o que?
Coisas da vida...

quarta-feira, 13 de março de 2013

Sempre Viva



Em minhas linhas secas escoo,
tão seco pra ser humano,
sinto o sangue das minhas veias secarem,
minha pele rachar e meus olhos perderem o fogo.

É tanta vida desperdiçada que sinto falta do desperdício,
é aquele maldito nó na garganta que nunca sai pois não tenho mais lágrimas,
e a tristeza tomando um nível muitas vezes mais profundo.

O que sou vem a pesar,
e ser tão específico dói os ombros,
o fardo levado é árduo...

Se fosse gramas mais comum acho que aguentaria melhor,
mas sendo o que sou é a cada dia a dor de uma morte,
vivo e morro a cada dia,
e já cansei de isso acontecer,
vivo sem florescer,
pois essa flor demora a nascer.

Até que seca...
Mas é eterna


David Weydson

sábado, 9 de março de 2013

Pensamentos Soltos

Quando era criança via os adultos irem trabalhar,
falando que iam trabalhar e achava um máximo,
como se fossem salvar o mundo ou fazer as coisas mais espetaculares da terra...

Quando pensava e expressava meus pensamentos,
já de maneira bem lógica,
e não infantil quanto meu corpo era,
falavam que eu só entenderia mais futuramente,
me excluíam de seu meio por não trabalhar ainda.
Não ter idade...
E julgavam assim não entender...

Não é preciso idade para pensar,
e trabalho nem sempre requer muito intelecto.
Uns fazem a mesma função até se robotizar,
outros ficam trancados em cubículos trocando dinheiro,
mercadorias e seus pensamentos longe...
semblante cansado...

Entrei para o trabalho achando que ia mudar o mundo,
que ia virar um herói...
mas vi logo que só era mais uma máquina que outros mantinham a manutenção com algumas cifras.

Decidi ser humano...
se faço algo serei gente,
pois no fundo não trabalho,
faço o que preciso mas ainda sou eu,
mesmo que não totalmente,
ou ainda de maneira mais clara...

...

Agora vejo atos,
e por ser velho no pensar opino,
mas para alguns ainda sou uma criança...
por não ter sentido a pele não sou digno de razão mas sou todo cérebro,
e isso me basta por enquanto...

...

Adultos são animalescos,
muitas vezes infantis...
falam coisas que em seu meio soa bonito,
coisas para manter seu palco unido.

Para última luz continuar a acender.

Escondem profundamente suas vontades mais íntimas,
e condenam o que são no fundo e o que pedem todo o dia...

O clamor social pede a morte por justiça,
e o matar por um único é injusto...

Procuram uma liberdade tão mentirosa quanto lhe imaginam real,
mas se lhes mostra é um total idiota...

Por medo de pensar julgam como uma massa putrefata nojenta,
e quando o fresco se perde do meio de sua homogeneidade,
ele se torna matéria estranha...
pois todos tem que ser iguais.
E ele é condenado por ser refinado,
por ter seus conceitos bem marcados,
por ser um diamante em meio à rocha.

Por tanto se dedicar ele é melhor,
outros tantos são inferiores e dignos da inferioridade que lhes sorve.

Ainda é possível ir além,
mas é tanto clichê pra pouca ação,
mas vou na fonte e procuro a pureza,
com presteza evoluo do lixo,
do bicho me distinguo e firo sua lei.

Não perdendo minha razão,
seu respeito?
Não quero não...
Degraus são como chão,
servem somente para serem pisados,
e quando passados...
foram em vão.


David Weydson