face de david- michelangelo

face de david- michelangelo
A face seca cede à curiosidade que entorpece os sentidos, focando o vívido olhar ao longe até se perder nas brumas de seus pensamentos distantes

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Dissecação de Eros

Instruções para leitura: Deixe a música carregar... beba um pouco dessa incrível música e leia seguindo seu ritmo. A música deve dar até o fim do Roxo



Indigo será com a música seguinte. E quando o texto acabar deixe a música te embalar até o fim.




=====Vermelho=====


As coisas estão diferentes entre nós...
Antes era só dor,
tristeza, cansaço e angústia.
Agora eu tenho ânimo para continuar.

Levanto e ando mais,
me visto com uma finalidade,
escolho detalhes e o olhar se iluminou.

Mas logicamente vejo o erro...

O desejo,
o amparo,
a carne acorda e arrepia,
enrijece, amortece,
a mente entorpece.
Mas isso é errado.
E por não errar estou empolgado,
Sinto falta de viver.

Encontrei outros braços,
físicos...
O subjetivo satura,
procuro e encontrei...

Não tem conhecimento que dê a sensação de minhas borboletas...
que me estampe o sorriso e a cor no rosto.

Quero muito me aproximar,
pois aquela coisa de "que tu me completa",
infelizmente é uma mentira muitas vezes contada.
É jargão.

Vou correr pela primeira vez atrás da felicidade,
e parar de embelezar a dor que é feia.
Era tudo que eu tinha...
não mais.

Quero o toque da pele,
os fluídos,
as promessas e o arrepio.
O medo gostoso de fazer algo escondido,
e mostrar os pontos fracos.

Estou sendo egoísta...
matando outros em meu benefício...
Já fui muito muito,
mereço alívio disso!



=====Roxo=====


Quero te encontrar urgente,
mostrar meu desespero pelo corpo,
fingir dor com tesão,
para ver se saio logo da solidão.

Se sentirei algo.
se o significado de tudo encontrarei,
se sexo é prazer ou desespero,
e delimitar a diferença dos mesmos.

Se o proibido vale mesmo a pena,
quando a dor não é pequena...

Um dia...

Procuro agora a loucura,
pois a sanidade não me vale de nada,
minhas amarras matam-me dia-a-dia...
Quero ver se teu gosto tira minha agonia.

Ela é maior que eu...

Vi que não acredita no calor pois o que vive é o frio da madrugada,
enquanto me engano buscas a verdade,
entramos em consentimento quanto à vaidade.
Quanto ao desejo do corpo,
quanto à dor e as curiosidades.

Vamos seguir entre dor e futilidade,
quero me testar e te usarei,
amei... mas por ser covarde deixei...

Sentimentos necessários para a vida,
tempera um pouco e segue...
uma dose de mentira e mistério...
Embala pra viagem?

...

Tudo tão fútil e tão clichê,
mas se à minha carne não ceder
a vida não terá muita importância.
Já nasci pra nada e busquei não errar,
mas creio que isso foi maior que errar.

Não preciso de muito,
diversão e irresponsabilidade...
comida insossa com pimenta,
a boca arde mas não a refresco.
Chega dessa vida de tédio.

=====Índigo=====



Tudo acontece tão rápido,
o desejo, a mentira e o escarro.
O imaculado corrompido,
A fuga do amargo.

Tudo pareceu tão tentador,
a juventude parecia certa,
mas o que era foi o desejo reprimido,
preso, encarcerado íntimo,
me deu o ar da vida
e como a brisa evaporou...

Alguns dias sem ar,
outros jurando mundos,
mas pouco a pouco fui voltando ao que sempre fui.

O rosto desiluminando,
o sorriso se esvaindo,
o coração compassando...

...

O molusco retornará à sua concha,
pois sempre que tenta sair se assusta com o mundo,
continuará a cultivar suas pérolas no conforto de si mesmo,
vai levando...
filtrando... lembrando,
até novamente se esquecer,
e do esquecimento sorver.
Fazendo-o virar paisagem.

O sorriso frio aparece,
o olhar distante e baixo...

O sol se foi,
as nuvens estão laranjas...
vermelhas...
roxas...

Anoiteceu




David Weydson

Nenhum comentário:

Postar um comentário