face de david- michelangelo

face de david- michelangelo
A face seca cede à curiosidade que entorpece os sentidos, focando o vívido olhar ao longe até se perder nas brumas de seus pensamentos distantes

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Amarela Amarela

Hoje vejo que a vida é além,
é muito mais que tanta coisa,
que minha espera pelo ônibus,
que o barulho das rodas passando pelo asfalto molhado,
que não posso me dar ao luxo das lágrimas quando quero,
Não há tempo pro luto,
a cidade é frenética...
Encontros são breves,
beijos velados,
encontros molhados de lembranças,
as lágrimas vêm do céu
abençoadas pelas folhas das árvores,
Que embaçam as lentes de meu óculos,
me calo...
Passos curtos pro lado,
para abrigar os que fogem da chuva,
vivendo me é tolhido sonhos,
Desejos,
Lembranças...

É o fim...
É o fim...

Mas no fim há novos começos,
esqueço porque tenho,
não porque quero,
nem porque devo.

É cedo...
É cedo...

É mais do que a filosofia que leio,
sobram sorrisos que faltam no dia de hoje,
Chove tarde na cidade,
um beijo...
Efêmero...


David Vilela

Nenhum comentário:

Postar um comentário