face de david- michelangelo

face de david- michelangelo
A face seca cede à curiosidade que entorpece os sentidos, focando o vívido olhar ao longe até se perder nas brumas de seus pensamentos distantes

terça-feira, 19 de setembro de 2017

19/09/2017

Antes de sair às pressas para o trabalho,
em meio a tanta felicidade e tantos sorrisos,
ele me pede em casamento,
falando que é sério,
correndo querendo ficar.

Eu aceitei,
ele ainda rebate
"é sério"
meu amor...

Eu escolho passar os dias esperando você chegar,
pra quando você vir te esperar de braços abertos,
eu escolho fazer pipoca pra gente comer,
te trazer doce quando sair,
fazer mercado juntos...

Eu aceito sorrir te vendo com cara de sono,
e você me fazendo sorrir quando eu tiver pescando de sono também,
eu aceito a gente sair sem destino,
indo pra onde as estradas levam pois o destino já temos ali.

Amor...
eu quero sempre estar ao seu lado,
você é minha família,
quero construir nosso cantinho um dia,
do papel pra realidade,
plantar árvores pra ver nossos filhos brincar de subir.

Meu menino,
eu quero ser sempre teu descanso,
e te acolher em meus braços,
te sentir em mim.

Parei de escrever para pesquisar
as regras para alterar o nome quando casado.

Amo você.



David Martinez

Meu menino Odisseu

Hoje sou indistinto,
já fui labirinto e fui visitado por Teseu,
o rapaz me liberou de minha maldição,
matou meus monstros,
liberou minhas donzelas.

Cada dia é diferente,
conheço mais um pouco de nosso sexo místico,
não existe toque mais vivo,
te sinto,
envergo,
te acalmo,
teu mimo.

Meu bebezinho hoje teve sono,
mas não negou minha intensidade,
acha que foi pouco e que fiquei na vontade,
meu querido rapazinho,
você me completa todas as partes.

Dorme dentro de mim,
une o que somos nós,
descansa...
amo tua respiração de sono.

Tive o prazer de tecer dias
com lã que vira fios de ouro,
e todo fim de dia,
é uma nova bênção em nossa mitologia.


David Martinez

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Meio Mar


Um barco navega com sua bussola precisa,
sou o farol que brilha mesmo na neblina,
eu sempre te quero,
e te espero adentrando muito mar,
só não hesite em me encontrar.

E não importam...
os monstros do mar mais profundo,
na tua pele...
está marcado o mapa que leva a mim,
peço que um dia...
venha para ficar,
não vá pras pedras,
pois te chamam pra naufragar.

Sou teu caminho...
a felicidade que sempre buscaste,
sou tua terra...
aquela em que o sol te beija,
onde teus filhos...
correm nos campos e brincam soltos,
não me troque...
por birras e desejos loucos.

Eu me importo,
quero ver você aqui atracar,
lustrar teu leme...
lavar suas velas e te beijar,
tenha cuidado...
com o futuro que queres pra ti,
pois felicidade é escolhida, vencida e conquistada assim.

Brilho...
e te espero...
te quero
te amo
me entrego.

Meus braços são tua cama,
aquela que quando tudo, tudo passar
estarão aqui...
pra te acalmar.


David Vilela

domingo, 27 de agosto de 2017

Artesão

Sempre me vi como menino
até que conheci de verdade um homem,
tentei me aprumar como ele,
imitar seu passo,
controlar as palavras como ele,
fazer planos como ele,
eu me via nos seus olhos,
e ele via pelos meus olhos a grandeza quando tudo isso estivesse completo.
Mas não foi pelo amanhã que ele se preocupava,
ele me amava hoje, ontem e amanhã,
eu era sua joia rara,
que ele pacientemente polia.

Difícil,
duro...
mas ele aos poucos ia se transformando em algo mais puro,
e ele orgulhoso do que se tornara
andavam de mãos dadas

O menino homem virou,
mas o melhor ainda ficou de menino,
maduro, forjado,
sou sua obra completa,
cresci por suas mãos.


David Vilela Martinez

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Lampião















Em suas mãos frias traz o lampião,
tenta iluminar os lugares mais escondidos,
sopra delicado a chama pra que cresça,
aquece o lugar quando ele chega.

Procura em molhos de chaves,
a de uma porta,
mas espera quem dentro está,
agora há quem te espera,
quem ilumina seus caminhos e te estende velas.

O mundo nem sempre é o paraíso que deve ser,
por isso aqui estamos,
estendemos a luz
dispersamos as trevas.

Aqui...
está tudo bem,
agora está tudo seguro,
agora está tudo em paz,
e o que aconteceu foi embora,
está longe,
lá trás...

Já passou...
feche os olhos,
deita a cabeça no meu peito rapaz,
já passou...
já passou...

Tenha paz


David Vilela

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Delta do Nilo

Pedra-a-pedra uma civilização foi construída,
arquitetos chamados para alinhar as ruas com o sol,
sementes buscadas dos confins do mundo,
para num mesmo jardim crescer, estar...

Filhos do deserto,
pessoas cansadas,
encontram oásis,
camelos bebem,
compram-se frutos,
vendem-se mercadorias,
no papiro o novo monumento,
no governante expansão do reino.

A nova casa criada,
alimento no delta do nilo,
todos vindo pelas estradas,
todos nutridos.

Tocam em minha visão,
tudo treme como seda ao vento,
a tempestade de areia ameaça,
passar e minha civilização inteira levar,
não sobrar nada,
só lembranças e miragens,
mas lutarei contra ela.

Ganharei


David Vilela

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Leve toque de anil

São tempos onde toda felicidade do mundo está condensado no olhar de duas crianças,
elas brincam nos intervalos,
contam entusiasmadas seus sonhos,
e isso não é nem o começo...

A sintonia faz com que seus corpos rodopiem,
se unam,
tomem forma,
a completude dos seres acontece,
estremece o de olhos maiores,
cora o de braços mais fortes,
o sorriso aparece igual.

É brisa fresca de verão,
sorvete em alta estação,
assento no cheio busão,
entardecer segurando tua mão...

São olhos que sonham sem foco,
lembrando quando se viu refletido nos teus,
o corpo aqui é todo seu,
meus dias de sonhos azuis.

Cachoeira, trilha, morro e campo,
roça, carro, caminhão, num canto,
minha boca teu corpo engole,
tua mão me impulsiona e acolhe.

As vezes imagino como vou aguentar,
tanto sentimento sem conseguir chorar,
de alívio, felicidade ali ao teu lado,
fazendo amor na beira do lago.

Fugido no bar,
perdido no churrasco,
a festa é no banheiro de baixo,
dispensa apertada convida,
teu corpo minha tara
minha sina.

Mão boba e perna por baixo da mesa,
enquanto sorrio dissimulado,
vejo teu jeito louco,
me querendo logo,
apertando teu corpo.

Meu maior sorriso não é segredo,
nossa vida nossos azulejos,
noite findando me dá um beijo,
sem medo...
sem medo...


David Martinez