face de david- michelangelo

face de david- michelangelo
A face seca cede à curiosidade que entorpece os sentidos, focando o vívido olhar ao longe até se perder nas brumas de seus pensamentos distantes

sábado, 15 de abril de 2017

Escreve louco varrido,
abatido e sofrido,
flagelado por sua mente doentia.

Fragmentado,
disseminado,
perdido,
cercado.

A passos do trabalho está,
chamaram para um quase ponto de encontro,
descansa seus planos
vaga um dia por vez.

Talvez no fim fique sozinho,
já se lançou do precipício a um mês,
o vento frio já é seu fregues

E corre...
segue
escorre
seque
sangue
cicatriza
imagina
um sonho azul
Dorme pois meus braços já não são os únicos,
já existe dúvida nas palavras que digo.

Dou lugar a outro por ora,
dorme sem demora,
o último beijo e sorriso
não mais meus.

Mas quem sabe o pensamento

Pão da Vida

Jesus repartiu o pão com seus discípulos e disse
'Tomai e comei, fazei isso em memória de mim'

E foi assim que parti

Essência que queria ser apenas do criador,
inteiro crescido,
dividido,

Bendita sois vós entre as mulheres
também homem,
faço o bem,
porém o que quero para agora não tenho,
mas amanhã terei,
amém

Lampada para os meus pés é a tua palavra,
e respiro para viver mais um dia,
aquece em meu peito esperança,
alegria e segurança,
certeza rara hoje.

Tudo é possível para aquele que crê,
cri tanto que senti,
vi,
andei pelo mar,
subi em carros de fogo.

Portanto vigiais, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir

Não vos inquieteis, pois, pelo dia amanhã,
porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo.
Basta a cada dia o seu mal.




quinta-feira, 30 de março de 2017

Epístola à São João III

O que era concentrado dissemino
Concentrado numa saca
Muita vida cria
Mas nada como eu

Não sei te classificar
És singular
Bagunço o pensamento
Desvio o olhar

Desperta com outro que não você
Que tanto o quis
Ingratidão e ironia
A busca da perfeição matou narciso

Nunca erro minhas palavras,
Nem adjetivos
Calo e grito
Só disso eu saibo agora e sinto

Entendido
Anotado
Marcado
Frisado
Destacado
Mascado
Engolido
Vomitado



David Vilela

Epístola à São João II

Desengrena
Atravanca
Vida vil que anda

Desmarca
A parca
Vinho e vela
Prece pro guia
Levanta o queixo

Estanca o peito
Acelera a dosagem
Enebria menino
Coragem

Firma olho no mundo
Muda a paisagem
Se entregue ao vento
Tomba sem alarde

Fecho os olhos
Pois aqui não preciso mais ver
Ando no escuro
Já não faço planos

Era um menino que tinha fé,
Mas pouco-a-pouco queimou
Medido em horas extensas
Microssegundos mais durou

Vela constante
Centelha guardada

Segue essa vida marcada
Vil


David Vilela

Epístola à São João I

Os boa noite agora são sucedidos de despedidas,
Não mais ofegantes comigo,
Sonhos não mais compassados,
Só deixado de lado,
Rumo a outra cama,
Ele já foi dormir.


David Vilela